Obesidade infantil: prevenir é a melhor alternativa

A obesidade infantil é uma questão ainda mais grave que a obesidade em adultos.

Quanto mais tempo uma pessoa fica exposta a uma condição adversa, maior será a consequência. Quando esta condição, no caso a obesidade, tem início na infância, as consequências virão mais cedo. Como consequências, estamos falando do surgimento de doenças, como diabetes mellitus, hipertensão arterial, apnéia do sono, etc. Além disso, também a diminuição da longevidade e a ocorrência de danos psicológicos bastante negativos.

 

Um dos grandes desafios neste assunto é, para começar, ter clareza de quando o problema começa a se apresentar. É importante que o diagnóstico seja feito e as providências adequadas sejam tomadas o mais cedo possível, quando as ações podem ter a maior eficácia.

Para fazer o diagnóstico de sobrepeso e obesidade em crianças, o método mais indicado é o cálculo do IMC ( índice de massa corpórea – baseia-se no peso e altura). Pode ser usado em crianças a partir de 2 anos. Existe um gráfico que mostra se a criança está em estado nutricional adequado com base no IMC. Esta avaliação normalmente é feita pelo pediatra.

 

Neste artigo elucidamos 10 pontos importantes na prevenção da ocorrência da obesidade infantil, segundo a recente diretriz médica da Endocrine Society sobre este tema:

 

  • É importante que haja uma educação em termos de dieta e importância da atividade física, não só das crianças e adolescentes, mas também dos adultos e toda a comunidade. A escola deve participar ativamente deste processo.
  • É fundamental ter uma dieta saudável. Isto se faz evitando alimentos ricos em calorias e pobre em nutrientes ( como bebidas com adição de açúcar, comidas processadas com alto teor de gordura e sal, ‘fast food’, lanches ricos em calorias). Recomenda-se fortemente o consumo de frutas ao invés do suco de frutas.
  • Crianças e adolescentes devem realizar 20 minutos ( preferencialmente 60 minutos) de atividade física de alta intensidade pelo menos cinco dias por semana, para que haja melhora metabólica e diminuição da chance de obesidade.
  • É importante que o sono seja de boa qualidade. Em caso de distúrbios do sono podem ocorrer mudança na ingesta calórica e no metabolismo.
  • Moderar o tempo de telas ( TV, tablet, celular, jogos), e encorajar a prática de exercícios físicos em substituição.
  • As ações devem envolver toda a família, e não somente o paciente em questão.
  • A estrutura familiar deve ser avaliada, e, se necessário, adequadamente encaminhada para fins de redução de estressores familiares que podem contribuir para o desenvolvimento da obesidade.
  • O engajamento em programas escolares e comunitários de prevenção à obesidade são adequados
  • São recomendadas intervenções comportamentais para prevenir a obesidade. Tais programas devem ser integrados à escola ou promovidos pela comunidade para alcançar o máximo de pessoas.
  • O aleitamento materno é recomendado em crianças por inúmeros benefícios. É possível que tenha um papel importante também na prevenção da obesidade infantil.

Temos um compromisso imenso com nossa saúde. Mas esse compromisso é ainda maior quando se trata de nossas crianças, por quem somos responsáveis.

Obesidade: é preciso tratar com respeito.

 

Comentários encerrados.